Wolverine – Jornada para o Inferno – A queda de Logan começou a ser publicada no Brasil na revista Wolverine n.º 83, com roteiro de Jason Aaron,  arte do brasileiro Renato Guedes e arte-final do também brasileiro José Wilson Magalhães.

Após um grande trabalho desenhando histórias do Superman, a dupla apresenta agora todo seu talento pela Marvel. Contrariando a leva de desenhistas brasileiros que optaram por `americanizar`seus nomes artísticos, Renato e Wilson têm orgulho de apresentar seus verdadeiros nomes nos créditos de todos seus trabalhos, mérito que conseguiram com muito trabalho e esforço, ao longo de muitos anos desenhando Smallville e outros títulos da DC, no caso de Renato, e nos estúdios Disney no caso de Wilson.

O título, que vem sendo publicado há mais de um ano nos EUA e chegou em novembro ao Brasil, conta ainda com grandes extras. Praticamente todas as páginas a lápis e arte-finalizadas a nanquin podem ser conferidas no site do arte-finalista. Conforme ia sendo publicado lá fora, Wilson ia publicando no blog, alimentando ainda mais a curiosidade de seus fãs. Além disso, o Artbook do Renato, publicado há poucos meses, também conta com vários sketchs e desenhos do personagem.

No mais, pra quem gosta e conhece a arte dos dois, vale a pena conferir e comparar os experimentos do Renato no traço e na composição do personagem. O artista nunca para de inovar, como por exemplo a diferença com que desenha os pelos e as roupas de Logan. Wilson, por sua vez, não fica atrás. Diferenças sutis nas suas pinceladas podem ser percebidas por quem já conhece seu talento e que acompanha sua trajetória.

Por fim, resta esperar pelo próximo número para avaliar o roteiro. A primeira edição se revelou um pouco confusa e despretensiosa, deixando o ponto alto do gibi para arte dos brasileiros.

Blog do Wilson: http://finalmentearte.blogspot.com/

Deviantart do Renato: http://renatoguedes.deviantart.com/

 

— Guido queria ser um personagem de histórias em quadrinho. Depois de ler Will Eisner se contenta em ser um personagem de uma história sem quadros.