ENCONTRO ESTUDIO ELY BARBOSA AMANHA EM SAMPA

Outro mestre a ser homenageado, desta vez em Sampa, será Ely Barbosa em seu antigo Estúdio:
Avenida Indianópolis, 1337, Planalto Paulista
São Paulo (São Paulo, Brasil)
Eliete Barbosa e Edson Luiz Parisotto criaram este encontro para Clube do Ely Barbosa
Encontro dos ex-funcionários/colaboradores do Estúdio Ely Barbosa para relembrar tempos divertidos e contar muitas histórias! Confira a página no facebook.

Confirmados por enquanto:
Bira Dantas, Carlos Migliorin, Walter Vetillo, Eduardo Vetillo,Cidão, Wilson, Tomaz e Denise, Edde, Alexandre Silva, Flavio Ferb, Taô Barbosa, Eliete Barbosa, Edson Luiz Parisotto, Maria Tereza Maldonado. Paulo Borges não poderá vir. Falta confirmação do Mingo e do Arthur.

Um dos maiores editores brasileiros de Quadrinhos dos anos 70 e 80.

http://www.elybarbosa.com.br
Eu trabalhei no estúdio do Ely de 1979 a 1982, quando ingressei na imprensa sindical. Ely produziu muitas animações e livros ilustrados pro Sílvio Santos, desenvolveu uma grande família de personagens de HQs como Cacá e Sua Turma, Patrícia e os Amendoins!
ELY BARBOSA. Este nome me acompanhou quase a vida inteira. Dos 17, quando fui estagiar em seu estúdio (de um anúncio em jornal descoberto por minha mãe, dona Lourdinha) até meus quase 43 de hoje!
O Ely dizia que minha vontade de mostrar meus trabalhos era tanta, que ele não se surpreenderia de, ao se deitar com sua esposa Thereza, me ver sair debaixo da cama com algumas páginas pedindo que ele as olhasse!
Por todas as dicas, a paciência e a liderança que a poucos é presenteada, dediquei a ele o primeiro prêmio Angelo Agostini (melhor cartunista brasileiro) que recebi!
Profissional extremamente competente, ele fez parte da história da HQ Brasileira, com louvor! Até por isso já foi premiado com o prêmio Angelo Agostini, o Oscar do Quadrinho Nacional. Foi em seu estúdio que estagiei em 1979. Foi lá que conheci outro grande desenhista, o Eduardo Vetillo (fez Hanna-Barbera pra RGE, Trapalhões pra Bloch e Chet pra Vecchi), de quem passei a ser assistente. Foi no estúdio do Ely que publiquei minhas primeiras páginas em quadrinhos. No Gibi dos Trapalhões.
http://vetillobrothers.blogspot.com/2010_03_01_archive.html

NA MADRUGADA EM QUE ELY FALECEU…
Sonhei que o Ely, Eduardo Vetillo (de quem fui assistente em 1979) e o Worney (AQC-SP) vinham me fazer uma visita em Campinas e eu mostrava minhas produções novas pra ele, umas revistas onde usei minha filha de personagem. Ele chorava lembrando de quando começou a produzir as revistas com os seus personagens.
Acordei cedo e comentei com minha mulher que queria visitar o Ely. Há uns 2 anos nós retomamos contato pelo orkut e por e-mail, mas como ele havia sido vítima de mal de Parkinson, tinha dificuldade em se comunicar.

Mensagem direta do chileno Carlos Carcamo que criou o model sheet dos Trapalhoes:
"Oi, Birandantas. tudo bem?
Eu estou morando aqui no sul do Chile e estou fazendo charges para o journal da minha cidade(Temuco). Também faço caricaturas de políticos. http://www.australtemuco.cl Não tenho pensado em outra viagem para lá. Tenho um filho que mora no Rio. Ele é engenheiro. Qualquer coisa respeito ao trabalho que a gente fazia com Ely, pode contar comigo.
Te agradezco la invitación, pero me encuentro en Chile.
Espero que lo pasen muy bien recordando viejos tiempos.
Envía fotos para ver si reconozco a mis ex colegas.
Un abrazo a Valezin si es que aparece por ahí. Con él he mantenido algún contacto últimamente."
ccarcamo.cl@gmail.com" Carlos Cárcamo

OS TRAPALHÕES NO UNIVERSO HQ
"Em pouco mais de dez anos de publicação, esta revista em quadrinhos colecionou fãs de todas as idades e cravou seu nome na galeria dos gibis que marcaram época no mercado editorial brasileiro.
Por Marcus Ramone (29/07/09)
"Isto aqui é uma merda!". Essas palavras, gritadas por Ely Barbosa diante do editor do gibi Os Trapalhões, em 1979, foram fundamentais para que a publicação deixasse de ser apenas um título fadado ao cancelamento e ao limbo na memória dos leitores e se tornasse uma das melhores revistas em quadrinhos já produzidas no Brasil.
A versão HQ do quarteto de humoristas surgira na esteira do sucesso de seu programa, exibido desde o ano anterior na TV Globo, depois de passagens pelas emissoras Record e Tupi. Também se esperava um prazo de validade para a publicação, da mesma forma que, antes e depois, outras personalidades da televisão brasileira viram acontecer rapidamente com os gibis que protagonizaram.
Essa previsão teria se confirmado se Ely Barbosa não tivesse atirado um exemplar da revista na mesa do editor da Bloch e dito a ele, curta e diretamente, o que pensava sobre o conteúdo da publicação."

MAIS AQUI:
http://www.universohq.com/quadrinhos/2007/n22012007_05.cfm

WIKIPEDIA
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ely_Rubens_Barbosa

— Como o Bira falhou na tentativa de virar herói, publica seu Tatu-man nos jornais Correio Popular e Graphiq. Faz parte do Coletivo Quarto Mundo e da AQC (Associacao de Quadrinhistas e Caricaturistas) SP. Toca gaita nas horas vagas, em eventos quadrinhisticos ou quando nao esta arrancando cabelo ( e tem muito) com os prazos apertados. Deve se mandar pra Coreia do Sul, pra falar do mercado dos Quadrinhos brasileiros, que acredita, nao esta desmoronando.