Por: Hunter (Pedro Bouça)*

Votados pela equipe de jornalistas da revista dBD, eles são bem mais comerciais do que os de Angoulême, por exemplo.

Eis os vencedores deste ano:

Melhor intégrale
Tout Jijé 1942, 1945 por Jijé (Dupuis)

Prêmio bem válido nesses dias em que tudo está sendo encadernado na França. O último volume da obra completa de Jijé já estava prometido há um tempão e vem resgatar material que está fora de linha há décadas! Uma justa homenagem ao fundador da Escola de Marcinelle (e professor de Moebius e Mezières!), cuja obra é injustamente ofuscada pela dos seus famosos discípulos.

Melhor adaptação literária
La position du tireur couché por J. Tardi baseado na obra de J.P. Manchette (Futuropolis)

Outro prêmio bem adequado nesta altura. É mais uma adaptação de romance policial feita pelo especialista Jacques Tardi. Sua adaptação anterior de Manchette ("Le petit bleue de la côte ouest", publicado nos EUA como "West Coast Blues") era genial, espero que esta siga pelo mesmo caminho!

Melhor álbum juvenil
Le trop grand vide d'Alphonse Tabouret por Sybilline, Capucine e J. d'Aviau (Ankama)

Olha a Ankama marcando presença de novo! Não sei nada sobre esse álbum, mas a Ankama tem publicado muitas obras interessantes nos últimos tempos.

Melhor livro de humor
Cadavre exquis por Pénélope Bagieu (Gallimard)

A principal expoente do quadrinho feminino moderno na França ganha mais um prêmio. Merecido, com certeza.

Revelação
L'assassin qu'elle mérite t.1 por Lupano e Corboz (Vents d'Ouest)

Não são autores realmente iniciantes, particularmente Lupano que já ganhou prêmios pela série Alim le Tanneur, mas parecem ser bons.

Série cult
Valérian por P. Christin e JC Mézières (Dargaud)

Merecido!

Melhor roteiro
De L-F Bollée  Un long destin de sang t.1 (12Bis)

De Fabien Nury – La mort de Staline t.1 (Dargaud)

Dos dois, só li A Morte de Stalin, que é muito bom. O outro é ambientado na Primeira Guerra, que costuma inspirar excelentes obras 

no quadrinho franco-belga.

Melhor desenho
Juanjo Guarnido por Blacksad t.4 (Dargaud)

Não é preciso dizer mais nada, né? Guarnido merece!

Melhor série/primeiro volume
Un long destin de sang t.1 por Bollée e Bedouel (12Bis) (capa acima)

Outro prêmio para essa série ambientada na Primeira Guerra Mundial. Os álbuns da 12Bis são difíceis de encontrar por aqui -Portugal – (exceto os do Bourgeon…), mas vou ver se cato esse.

Melhor série
Long John Silver por Dorison e Lauffray (Dargaud)

Boa série de piratas que não me impressionou tanto quanto parece ter impressionado o público francês. Ainda acho o velho Barba-Ruiva do Charlier imbatível no gênero…

Melhor álbum estrangeiro

Asterios Polyp por Mazzuchelli (Casterman)

Sem contestação. É o único dos ganhadores que também foi premiado em Angoulême.

Prêmio de honra
Albert Uderzo

Pelo conjunto da obra. Depois de sua longa e impressionante carreira, Uderzo merece toda e qualquer honraria!

Melhor álbum francófono
Quai d'Orsay t.1 por Lanzac e Blain (Dargaud)

Surpreendente sucesso de público e crítica no ano passado, o álbum foi injustamente ignorado em Angoulême. Aqui ele recebe uma premiação merecida.

*O conteúdo deste post expressa a opinião de Hunter (Pedro Bouça)que é plenamente responsável pelo mesmo.

— Lucas Pimenta queria ser Martin Mystère. Não queria uma pistola de raios e sim a capacidade de enrolar uma noiva da mesma maneira...