Silvia Galindo    

  ► Por Silvia Galindo*

Bárbara

A lembrança mais antiga que tenho de quadrinhos é do meu pai deitado na rede lendo Tio Patinhas. Ele adorava gibis! Lembro também de um baú onde meu irmão os guardava… E lembro da Bolota, personagem de uma menina comilona e obesa que eu curtia muito sem perceber, na época, que era a gastronomia o elo da afinidade!

Quadrinhos é sinônimo de puro lazer! Eu curto e observo tudo: do formato dos balões ao seu conteúdo, as cores, os traços do desenho (que é outra paixão), observo quando tudo é obra da criatividade ou quando tem pesquisa por trás… Foi ótimo descobrir em Serginho outro apaixonado, ele me apresentou várias histórias legais e agora o ótimo São Jorge da Mata Escura!!!

Não SJME - capararo, vejo-me orando pra um santo e justificando pra outro porque não foi ele o elegido naquele momento! Descobri que não sou fiel a apenas um deles, coisa de menina baiana que nasceu na Terra de Todos os Santos… Mas sobre São Jorge só sabia que montava um cavalo e havia se retado com um dragão (logo a figura do dragão que adoooooro), nunca sequer tive curiosidade de saber como a lua foi para nisso!!

Agora não, sou fã deste guerreiro tanto quanto de Jorge! Emocionei-me com sua inabalável integridade, vi claramente minha Bahia na Mata Escura, gargalhei com o close no bebê, agradeci o inteligente paralelo com a síntese sobre Oxossi, sofri com a injustiça que marcou a pele e o coração de nosso herói, refleti sobre quantos “Jorges” temos andando ou cavalgando por aí…!!

Enfim, maravilha de leitura. Salve Bahia! Retado São Jorge!!

____________________

São Jorge da Mata Escura
Marcelo Fontana (Roteiro)
André Leal / Antônio Cedraz / Naara Nascimento  (Arte)
RV Cultura e Arte
____________________

* Silvia Galindo é analista de planejamento e controle. O conteúdo deste post expressa a opinião da autora, que é plenamente responsável pelo mesmo.
 

— Sergio Barretto teve um passado nebuloso sobre o qual nunca fala. Ninguém sabe ao certo o que ele fazia, mas alguns indícios de ações secretas e aterradoras já desestimularam muita agente a continuar investigando. Hoje é um homem sério, cumpridor de seus deveres e apaixonado por histórias em quadrinhos desde que se entende por gente, e a cada ano faz mais tempo que ele se entende por gente. Faz parte do Quadro a Quadro desde sua criação e costuma ser gente boa, mas as vezes passa a impressão de que seu passado sombrio pode retornar a qualquer momento, pondo a todos em perigo.