Quem nunca leu um mangá interessante,  que atire a primeira pedra!

Honestamente, quem nunca leu um mangá interessante é porque nunca encontrou a história ideal. Como amante desse gênero da nona arte, posso afirmar que existe um para cada gosto ou idéia absurda que você nem possa imaginar…

Que bem o diga as editoras e revistas japonesas, que, para dar conta de tanta variedade disponível, se utilizam de publicações com um papel de baixa qualidade num sistema de rotatividade das histórias, onde as revistas são feitas para o consumo e descarte imediatos. São publicações semanais grandes, com várias histórias por volume, cujas histórias vão ganhando espaço na revista à medida que o público demonstra interesse por elas.

Acho a idéia da coisa bacanérrima por várias razões: uma, porque funciona; duas, porque permite uma diversidade de conteúdos, desenhistas, roteiristas,  etc , aparecerem; e três, porque o público está sempre em primeiro lugar, afinal de contas, o que decide a permanência ou não de uma história e o espaço dela na revista é a resposta que os leitores dão para as editoras.

Seguindo então este exemplo, teremos aqui no Brasil (sim, sim, aqui!!!) a nossa própria e primeira versão desse sistema editorial de publicação: a Ação Magazine. A revista contará com um número diverso de histórias independentes que funcionarão no mesmo sistema que as suas irmãs orientais , de rotatividade decidido pelo público.

Quanto ao estilo das HQs publicadas, pelo que dá para perceber pelo preview (http://issuu.com/acaomagazine/docs/amagpreview ), serão todas em mangá, com histórias de ação voltadas mais para o público masculino (shonen). Mas se acalmem, meninas! Em conversa com o pessoal da revista, me falaram que com o sucesso da AM, nada impede de se expandir para o público feminino (shoujo). Tá aí um ótimo motivo para apoiar a empreitada, além do fato da organização ser toda brasileira, dos quadrinistas serem brasileiros (temos que valorizar a produção nacional) e da iniciativa ser muito boa.

No mais, o primeiro volume contará com seis histórias: Rapsódia, de Fábio Satoshi Sakuda e Carlos Sneak; Expresso, de Alexandre Lancaster; Madenka, de Will Walber; Jairo, de Michele Lys, Renato Csar e Altair Messias; Arcabuz, de Márcio Gonçalves e Roberta Pares Massenssini; eTunado, de Maurílio DNA e Victor Strang. Imagino que, como eu, vocês ainda podem ter algumas dúvidas (formato, preço, páginas,…) e vou passar o mesmo recado que me foi dado, que mais informações estarão, em breve, disponíveis pelo site da revista, o www.acaomagazine.com, que encontra-se em construção.

*Revista semanal de mangás japonesa publicada pela editora Shueisha.

Revisão por: Luciana Zamprogne