popeye.

A memória consegue manter os traços principais de Popeye, e eles foram bem apresentados pela atuação de Robin Williams e uma brilhante turma no filme musical de 1980, dirigido por Robert Altman. E se o assunto é memória, essa é minha primeira memória de Robin Williams. Nos mais antigos resquícios da minha memória, Robin Williams é o eterno Popeye, assim como seu colega Christopher Reeve eternizou-se como o Super-homem.

popeyePopeye nasceu antes das histórias em quadrinhos. Quando os entusiastas das narrativas visuais estavam talhando a alcunha de comics, que ficou conhecido o produto em quadrinhos dos estadunidenses. Popeye nasceu nas tirinhas diárias, semanais, dominicais, em 1929. Vestia-se e comportava-se nas primeiras tiras de seu criador, E. C. Segar, como um trabalhador de porto, comuns nas cidades costeiras dos Estados Unidos nas primeiras décadas do século XX. Poucos anos depois, devido ao enorme sucesso de tão carismática figura, os estúdios de animação dos irmãos Fleischer produziram antológicas obras.

Com seus braços tatuados, sua roupa de homem do mar, e seu inseparável cachimbo, Popeye construiu belas bases filosóficas com frases como “que os macacos me mordam!" e “Eu sou o que sou, e isso é tudo o que eu sou!" (memória realimentada pelo meu amigo Luís Augusto, pai do Ben e do Lucas de Fala, Menino!). E assim o Popeye foi parar nos cinemas, nos anos 80, nãos mãos do ator Robin Williams. A carreira de Robin iniciava-se na televisão e no cinema, tendo feito diversos filmes que ganharam destaque e o colocaram no Hall da Fama dos grandes atores de Hollywood. Faleceu ontem, dia 11 de agosto de 2014, em circunstância pouco esclarecidas até a escrita deste texto.

Mas perenizou-se, para mim, esta memória: Robin Williams, uma figura agradável, de trato amável, presente em tantos emocionantes filmes, foi o Popeye. E foi um excelente Popeye, ainda que nas rodas de conversas diversas que se assumam como tema as produções de cinema feitas com inspirações nos quadrinhos o filme raramente seja citado. A mitologia está toda lá: Olívia Palito (Shelley Duvall), Brutus (Paul L. Smith), Dudu (Paul Dooley), Gugu (Wesley Ivan Hurt) e até mesmo o ESPINAFRE, que não existia nas tiras originais, sendo uma estratégia das animações no auxílio alimentar que as crianças estadunidenses careciam em ferro (e certamente foi uma alegria para a indústria de alimentos)!

robinwilliamsE, claro, Robin Williams abraçando com vigor esse personagem, atuando de tal maneira que era mais que reconhecível: Era mesmo o Popeye! Aquele contagiante marinheiro, dando sopapos nos malfeitores e ajudando aqueles que precisassem! E Robin sempre foi um homem apaixonante e apaixonado (e, por que não aproveitar e dizer: Apaixonável). Suas relações com as coisas são fortes, profundas, quase fazendo de tudo em sua volta parte de si. Por gostar tanto de videogames, por exemplo, colocou o nome de sua filha de Zelda. Esteve presente em corridas de bicicleta e era defensor do uso de veículos ecologicamente corretos. De certo, deixa tristezas e saudades. E deixa, em minha memória, o filme do Popeye. Adeus Robin. Obrigado por sua contribuição ao Popeye.

 

— BATMAN em tempo integral e Historiador nas horas vagas, busca a verdade e enfrenta vilões em ambas as ocupações!