Oliver Borges e sua Aurora Comics vai está presente no estande do Quadro a Quadro nessa sétima edição do FIQ.

Conheçam um pouco sobre a história desse artista que luta pelo quadrinho brasileiro.

No ano de 1989 um grupo de ami­gos se reunia duas a três vezes por semana para discutirem temas de muita importância e seriedade. Pelo menos para garotos de 12 anos a su­perioridade do poder de Thor em relação ao do Superman, a agilidade do Demolidor em confronto com a do Batman ou se a perversidade do Darkside sucumbiria à mente maléfica do Thanos eram coisas de extrema importân­cia. Essas conversas duravam horas e algumas discussões se prolongavam por dias gerando algumas vezes discordâncias entre os membros do grupo que ocasionalmente viravam pequenas brigas de garotos. Tudo isso ocorria por que todos estavam encantados com o mundo das HQs americanas tam­bém conhecidas como “comics”.

As conclusões obtidas nessas con­versas e o resultado de inúmeras ses­sões de RPG serviram de inspiração para um dos membros mais polêmi­cos dessa religião juvenil, este tal, questionava as atitudes, a personalidade e até mesmo os poderes de seus deuses voadores e a prova de balas: Oliver Borges, famoso entre seus amigos por sua personalidade forte e ter o curioso dom de contar histórias e torná-las empolgantes e in­teressantes aos seus espectadores. Foi entre 1992 e 1993 que ele começou a esboçar as primeiras idéias dos per­sonagens e do universo que veio a se tornar a AURORA COMICS dos dias de hoje.

Muitos anos se passaram desde en­tão, e o projeto que o garoto de 15 anos dedicava várias horas de seus dias de adolescente aperfeiçoando cada personagem, cada roteiro e cada traço de desenho, foi ficando adormecido devido à presença do homem que ele se tornara. Agora pai de dois filhos, no decorrer de sua vida Oliver precisou especializar-se em algo que lhe provesse retorno financeiro, porem nunca abandonou o caminho das artes, estudando de­senho industrial e desenvolvendo-se como designer gráfico, adquiriu muita experiência trabalhando em agên­cias de publicidade. Mas foi em 2006 que após um reencontro com Ivan Lira, seu amigo de infância e também mem­bro do grupo de cinéfi­los e fãs de quadrinhos, que decidiram reerguer o antigo projeto AURORA COMICS, que, curiosamente desde o seu nascimento tem o mesmo nome. Três anos se passaram, histórias foram ama­durecidas, personagens reformu­lados e um estilo artístico seguin­do e adequando-se à tecnologia atual foi desenvolvido. Muito estudo foi feito por essas duas mentes; uma equipe foi formada e algumas vezes remodelada, quando finalmente em 2009 no FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) em Belo Horizonte Minas Gerais – foi lançada a edição numero 0 da AURORA COMICS. Esta que foi uma edição impressa única e exclu­sivamente para promover a revista em quadrinhos on-line aurora comics.com

 

 

Veja também:

Parte 1 – Flávio Luiz

Parte 2 – Wellington Srbek

Parte 3 – André Leal

Parte 4 – Felipe Soares

Parte 5 – Wendell Cavalcanti

Parte 6 – Marcelo Lima

Parte 7 – Dennis Oliveira

— Lucas Pimenta queria ser Martin Mystère. Não queria uma pistola de raios e sim a capacidade de enrolar uma noiva da mesma maneira...