O Mangá Over The Rainbow, do brasileiro Manguinha, conquistou o segundo lugar no importante prêmio Morning International Comic Competition (M.I.C.C), de Kodansha, Japão. 

Release da história: "Na cidade-estado de Öröm que é cercada por um muro, o povo vive dentro do sistema de classes sociais, divida por cores. Os cidadões das cores “Indigo” e “Azul” se esforçam pra subir na classe dominate “Verde”. Eles têm medo dos homens de “Vermelho”que vivem fora do muro, chamado de "mundo selvagem", visto como terroristas. Uma funcionária da fábrica de doces Ötélia sofria por ter nascido da própria mãe, em vez de ser comprada. Um dia ela perde um dos braços tentando salvar seu gato das mãos dos policiais que o maltratavam, por consequencia eles lhe dão um braço postiço. Logo aparece em frente dela um homem de máscara que parece um terrorista de vermelho, perturbando a tropa da poliícia e a cidade com sua manipulação de espada que ninguém tinha visto."

Com um grande roteiro que trata sobre felicidade, opressão e castas sociais, sustentado por uma bonita paleta de cores (essencial para a história), o brasileiro conseguiu surpreender os juízes. Utilizando influências japonesas, mas também prestando homenagens ao Brasil, a história pode ser lida por pessoas de todas as idades, como dizem os jurados, mas também podem ser lidas por pessoas de diversos paízes. Não sou nenhum leitor assíduo de mangás, mas esta história me fez lembrar Buda, de Osamu Tesuka, justamente pela proposta social profunda e complexa, que acredito ser o maior acerto de Manguinha. Aliás, outro acerto é o Esquartejado, o carismático herói ninja, que entre seus golpes de espada chega para atender o maior desejo de Ötélia, sem muito motivo, apenas para salvar o dia.

Visualize o quadrinho em português aqui.

 

Dica do amigo Rodrigo Veras.

— Guido queria ser um personagem de histórias em quadrinho. Depois de ler Will Eisner se contenta em ser um personagem de uma história sem quadros.