Em 2002 um dia antes da estreia do filme do Homem-Aranha, estava em casa ansioso para assistir, quando meu telefone tocou, uma amiga tinha ganho 2 ingressos para pré-estreia e me convidou, rápido como uma bala me arrumei e fui para o Multiplex no Iguatemi (não me lembro se aqui em Salvador havia Cinemark na época).

Entrei na sala completamente lotada, acabei sentando na 3ª fileira da frente (odeio sentar na frente), e então o começou filme, apreciei aquele filme do começo ao fim, já estava empolgado com os trailers e fotos que havia visto, mas ter assistido o filme foi o ápice do fim de uma adolescência nerd.

10 anos e mais 2 filmes do Aranha depois (um bom o outro horrível), as notícias sobre um novo filme começaram, iriam reiniciar a franquia, as fotos começaram, vilão escolhido, novo ator, trailer, todo o frisson que vem com esse tipo de mídia e bem.. eu não me empolguei nem um pouco.

Não curti o uniforme nas fotos, não gostei do visual do Lagarto (curto o visual com uma bocarra), mas quando surgiu a oportunidade de ver a pré-estreia meio relutante eu fui e… ainda não me empolguei.

Não estou comparando o filme com os quadrinhos, os filmes são outro tipo de mídia. Estou comparando com os outros filmes.

O filme começa com Peter Parker no passado na casa dos pais. Alguém invade o escritório de Richard Parker (Pai de Peter) e então eles tem que sair correndo de casa. Richard e Mary deixam Peter aos cuidados de Tio Ben e Tia May e então sofrem um acidente e morrem.

Peter cresce criado pelos tios, um jovem nerd que se veste como um emo e anda de skate.

Até que após descobrir algumas anotações, Peter decide investigar mais sobre o trabalho de seu pai. É ai que entra Curt Connors, antigo parceiro de de seu pai, que hoje em dia trabalha para OSCORP, durante a visita de Peter a OSCORP ele é picado por uma aranha, que não é explicado se é radioativa, geneticamente alterada ou sei lá o que.

Bem essa é a trama principal do filme. Tio Ben está muito bem caracterizado por Martin Sheen, só achei Sally Field um pouco jovem para tia May, Curt Connors faz um papel tipo "padrinho" de Peter, o que me lembrou o Norman Osborn do filme de 2002. Por falar em Norman, ele é citado no filme mas não aparece.

O Sentido de aranha passa praticamente despercebido o filme todo, principalmente na cena que o Homem-Aranha vai salvar uma criança na ponte, o sentido não avisa que o carro vai pegar fogo.

Capitão Stacy faz um policial durão, ocupando o vácuo deixado por J.Jonah Jameson, que não aparece no filme. O logo do Clarim Diário aparece nas entrevistas na televisão mas é só isso.

Andrew Garfield deu um bom Peter Parker, seco, lerdo, o físico certo para o personagem, e as piadas durante algumas cenas, deram o gosto do aranha dos quadrinhos.

Não curti Emma Stone como Gwen, não pela atuação, mas pela beleza, sempre imaginei Gwen a mais bela das namoradas de Peter, mas Emma Stone ficou com uma cara que parece um meme ou um espermatozoide.

Sobre o uniforme, fico me perguntando, como alguém sem dinheiro consegue criar um uniforme daqueles, e com aqueles lançadores de teia High Tech.

A frase clássica não é dita no filme, Tio Ben fala uma versão genérica dela.

Os efeitos estão ótimos e a movimentação do Homem-Aranha está perfeita.

O Espetacular Homem-Aranha não é um filme ruim, mas não apresenta nada de novo que não tenhamos visto antes, o roteiro é raso como uma piscina de 1000 litros e a cena extra é uma das coisas mais desnecessárias que já vi em um filme da MARVEL.

No saldo final é um passatempo de sessão da tarde sem cenas para gritar como Os Vingadores.

P.S.: A cena com Stan Lee é ótima!

— O Dan é desenhista, designer, gamer e herói suburbano. Dan is a Cartunist, designer, gamer and underground hero.