Se você, assim como eu, não pôde comparecer à Gibiteca de Santos no último sábado 29/03, não se preocupe! O Fábio Ribeiro, do Santos1970951_599969846760120_498471970_n Comic Con ( valeu Fábio!) registrou tudo em um vídeo que pode ser conferido neste link. Engana-se quem achou que o assunto giraria apenas em torno de cérebros carcomidos e escatologia. Os convidados, todos feras dos Quadrinhos nacionais, deram um show de bom humor e conversaram com os participantes sobre diversos assuntos relacionados ao universo das HQs.

Flávio Luiz é autor de “O Cabra”, uma ficção futurista que mistura cangaceiros e cordel que pode ser encontrada em lojas especializadas. Ele falou um pouco de suas outras publicações e das dificuldades enfrentadas no mercado editorial. Sua história “Aú” demorou tanto para ser publicada que o personagem até envelheceu, mas graças a verba adquirida com aprovação no processo da lei Rouanet, Flávio conseguiu editar 2.000 exemplares, seguidos de mais 9.000 a pedido da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Seu trabalho também pode ser conferido no “Máquina Zero”, editado e publicado pelo Quadro-a-Quadro para o último FIQ.

Daniel Esteves, mais conhecido pela roteirização da história de zumbis ambientada em São Paulo, “São Paulo dos mortos” (financiada através de crowdfunding do Catarse), falou um pouco de sua trajetória como roteirista e editor de HQs e de suas preferências na hora de escrever. Disse que prefere histórias fechadas a criar personagens para séries e também teve um projeto publicado através de editais de incentivo cultural: a HQ “KM Blues” foi aprovada pelo PROAC mistura blues, samba, viagem e muita reflexão.

Marcatti é uma referência entre os quadrinistas brasileiros com seus quadrinhos escatológicos e devido a sua experiência pôde compartilhar um pouco de seu conhecimento sobre o mercado editorial brasileiro. Falou um pouco sobre as vantagens de ser independente e dos problemas enfrentados quando é preciso trabalhar com uma grande editora. Seu trabalho mais recente é “Lauro, a larva – Aqui me tens de regresso”.

Obviamente, este é apenas um resumo do que foi conversado, já que os encontros que ocorrem na Gibiteca duram em média 2 horas, por isso, o vídeo é muito interessante. Além das considerações de cada autor, o espectador também pode conhecer um pouco mais do trabalho de cada um, suas expectativas e experiências com o mercado nacional. Não deixe de assistir!

 

— Dani Marino é formada em Letras e ainda não decidiu se prefere viver no Sonhar, em Nárnia ou em Hogwarts.