“Tá tudo muito bom

(Bom)

Tá tudo muito bem

(Bem)

Mas realmente,

Mas realmente,

Eu preferia que…”

                (BLITZ, 1982)*

…Certas coisas não acabassem.

Vou ser honesta com vocês, tem vezes que eu choro quando uma coisa acaba. Acho que é normal, o fim sempre é triste e a gente acaba se apegando às coisas.

Harry Potter é uma dessas coisas. Os livros “já acabaram” faz tempo, já li há muito e a maioria dos fãs também, mas ele cresceu comigo e com uma geração inteira. Mas acabou… Então a gente se apega a certas coisas para fingir que ainda não terminou, para acreditar que ele ainda faz parte do nosso cotidiano e até a pouco os filmes da saga cumpriam muito bem esse papel, mas, cara, agora vai terminar de vez, os filmes acabaram e aí!?

"Mas de repente
A gente enlouqueceu
Ah! eu dizia, que era ela
Ela dizia, que era eu…"

                 (BLITZ, 1982)*

E aí que para me (nos) livrar de uma possível fossa me medico com entorpecentes internéticos, como a belíssima imagem abaixo, via Imgur (http://imgur.com/A9o5X), que mostra como os personagens de Harry Potter seriam se fossem mangás.

São essas coisas que mantém os fãs eternamente ligados e alegres, e, opinião pessoal, acho que ficariam exatamente assim em mangá! Muito bom!!!

Bem que podia rolar uma adaptaçãozinha para não nos deixar órfãos de Harry

 

*Trechos da música Você não soube me amar, da BLITZ (1982).