A editora francesa Dargaud – casa de inumeros clássicos dos quadrinhos europeu, como Blueberry, XIII, Aldebaran e outros – anunciou no seu blog os próximos lançamentos programados para agosto e setembro próximo.

 

São eles:

 

Tyler Cross, de Fabien Nury e Brüno

Depois do sucesso de Atar Gull, a dupla de autores se renova e nos leva a um noir polar, muito escuro… e gracioso. Tyler Cross é um gangster sem concessões, totalmente amoral, na américa dos anos 1950. Quase 100 paga de desenhos suntuosos no estilo cinematográfico por Brüno e de um roteiro nervoso, frio e venenoso à la Nury.

TYLER-CROSS

 

Blue Note, de Mariolle e Bourgoin (volume 1/2)

Proibição, J-30. Numa cidade apodrecida pelo álcool e pela máfia, um boxeador e um jazzista têm um encontro com o destino… Mathieu Mariolle nos mergulha numa Nova York jazzistica com diálogos talhados à faca e desenhos suntuosos.

BLUE-NOTE-01

 

Marina, de Zidrou e Matteo (volume 1/2)

O talentoso roteirista de La Peau de L'Ours, Folies Bergère ou ainda Le Client se lança numa grande aventura histórica e nós embarcamos junto com ele numa Veneza mágica do desenhista Matteo.

MARINA

 

Paco les mains rouges, de Fabien Vehlmann e Eric Sagot (volume 1/2)

Um jovem Professor autor de um crime passional escapa da guilhotina, mas se vê condenado a prisão perpétua… Com uma historia poderosa assinada por Vehlmann e a força dos desenhos de Eric Sagot, a descida ao inferno da prisão de Cayenne não deve lhes deixar intactos…

01_PACO-01

 

Um obrigado especial ao amigo Diego RB pela tradução da notícia. Obrigado! 😀

— Adalton nasceu no último dia de uma lua cheia, mas acha que isso não tem nenhuma relação com a sua vida; começou comprando quadrinhos por puro modismo - uma edição da Turma da Mônica parodiando Jurassic Park; sua primeira compra consciente foi a edição nº 01 de Batman: A queda do Morcego, ainda formatinho. Acredita que irá terminar a graduação em Letras antes da catástrofe de 2012 e daqui até lá está estudando parte das traduções intersemióticas das peças de Shakespeare já produzidas. E nos interlúdios, tenta produzir roteiros a partir idéias rabiscadas em antigos pedaços de papel.