O desenhista italiano Giancarlo Alessandrini nasceu em 20 de março de 1950, em Jesi, província de Ancona, Itália e completa hoje 62 anos muito bem vividos e como um dos mais consagrados desenhistas italianos.

Alessandrini sempre foi um apaixonado por quadrinhos e um grande fã de Hugo Pratt (entre outros). Começou sua carreira artística no mundo da Nona Arte em 1972, graças ao amigo Silvano Marinelli, no Corriere dei Ragazzi, com uma trama escrita por Mino Milani. Trabalhou para várias editoras e com vários editores, mas foi em 1977 que sua carreira começou a mudar, quando entrou para a Sergio Bonelli Editore (SBE).

No ano seguinte ilustrou a série Ano 2000 (Anni 2000), com roteiros de Milani, desenhando todos os 10 episódios até a conclusão em 1974.

Seu trabalho com Milani vai render em 1975 na série Senhor Tubarão (Lord Shark) para a qual vai ilustrar os primeiros 12 episódios.

 

Na Casa dos Sonhos de papel (apelido carinhoso que os italianos deram a SBE), Alessandrini torna-se o primeiro desenhista a substituir Ivo Milazzo na série Ken Parker e ilustra o volume 6, Sangue nas Estrelas. Para o Rifle Comprido, o artista voltaria a ilustrar mais cinco edições, Caçada no mar (9), Ranchero (14), O Expresso de Santa Fé (18), Incêndio em Chattanooga (22) e O Caso de Oliver Price (28), todas com roteiro de Giancarlo Berardi.

No mesmo ano de 1977 ilustrou para a série Um Homem, Uma Aventura (seu primeiro trabalho na editora) o episódio O Homem de Chicago com roteiro de Alfredo Castelli. É essa parceria que vai resultar em abril de 1982, no seu principal trabalho, Martin Mystère: O Detetive do Impossível, onde ele é o criador gráfico, principal desenhista e capista oficial da série, incluindo os especiais e spin-offs. 

Em 1991 ganhou o prêmio de melhor desenhista pela ANAFI (Associazione Nazionale Amici del Fumetto e dell'Illustrazione) e no ano seguinte em reconhecimento ao seu trabalho, recebeu o Yellow Kid, o Oscar dos Quadrinhos italianos, como melhor desenhista do país.

Trabalhou com os dois maiores personagens da SBE, ilustrando em 2004, o 13° Dylan Dog Gigante (Il Sena Nome) e, em 2006, o 20° Texone (Desfiladeiro da Cobiça – Tex Edição Gigante 18, da Mythos).

O artista também possui trabalhos para o mercado inglês, estadunidense (onde criou algumas histórias de guerra) e francês.

Para Alfredo Castelli, parceiro de longa data, "Alessandrini desempenha um papel importante na evolução da arte dos quadrinhos nos últimos 15 anos".

A esse artista de talento e traço único, nós do Quadro a Quadro desejamos felicidades e muitos anos de vida e que continue nos brindando com sua arte primorosa.

— Lucas Pimenta queria ser Martin Mystère. Não queria uma pistola de raios e sim a capacidade de enrolar uma noiva da mesma maneira...