A coluna deste mês está de volta com o propósito de sempre, contarmos histórias sobre as histórias. Dizer por que alguns quadrinhos de nossa coleção são especiais.

Quadrinhos raros, quadrinhos desconhecidos, clássicos, alternativos ou até alguns bem comuns. Já apareceram obras de todo tipo na nossa coluna, e já houveram pessoas escolhendo a mesma obra, por motivos diferentes, é claro. 

Nesta postagem, pretendo comentar sobre HQ`s que fizeram o caminho contrário até minha estante (que desta vez é também a capa do post). Todas as obras que escolhi para hoje possuem algo em comum: são todas escritas por roteiristas famosos, motivo que me fez adquiri-las. De início achei que todas seriam pequenos trabalhos entre os grandes de seus autores. Mas foi assim, de maneira despretensiosa, que conquistaram um espaço  muito mais valioso em minha estante do que outras obras super estimadas pelo público geral possuem. São as pequenas notáveis obras dos grandes roteiristas que acompanho.

Infelizmente, por serem obras menos conhecidas, todas estão esgotadas. Resta torcer por reedições, ou encontrá-las em sebos ou no Mercado Livre. Mas valem cada esforço!

E vocês, tem alguma obra do tipo?

 

Mistérios-divinos

Mistérios Divinos

Um assassinato no paraíso, anjos caídos, justiça divina? Quem conhece a escrita de Gaiman sabe como ele aborda os seres celestiais. Que história! E mais uma vez, que arte de P. Craig. Russell!

 

violent cases

Violent Cases

Primeiro trabalho de Gaiman e McKean, tem uma arte belíssima. Apesar de ser considerada pouco do que o artista viria a oferecer nos anos seguintes, é um dos quadrinhos de que mais gosto pelo seu trabalho. Mas o que torna esta obra importante para mim, é a magnífica história, uma história sobre histórias como Gaiman tanto gosta. Um menino, cuja vida foi afetada por gangsters, conta tudo o que aconteceu, da maneira que ele próprio entendeu. Além disso, o trocadilho que dá nome ao livro, "violent cases" e "violin cases" (case, do inglês estojo), é algo genial que adiciona um brilho a obra. Citei a obra anteriormente nesta postagem.

 

drquinch

D.R. & Quinch

Alan Moore satiriza a sociedade americana com o melhor do humor ácido inglês. O melhor de tudo é a forma como retrata o mundo do cinema, das estrelas de Hollywood e de seus diretores. Marlon, inspirado no grande Marlon Brando, está sublime nesta HQ, pois parece estar atuando nas páginas do gibi. E D.R. e Quinch, os dois aliens que dão nome ao quadrinho, o dirigem em uma espontânea comédia de erros que muito me lembram os filmes dos irmãos Coen, ou do roteirista Charlie Kaufman. Foi escrita na década de 80, mas assim como outras obras de Moore, continua atual.

 

chosenChosen

Mark Millar nos surpreende com a história de um menino que acredita ser Jesus Cristo reecarnado. Pra quem conhece o gosto deste roteirista, sabe o que sua personalidade forte na escrita é capaz de oferecer. O Procurado, Nemesis, ambas obras que não são lá politicamente corretas, com um apelo carismático pelos… vilões. Como Chosen termina? Vale a pena conferir.

 

 

 

 

— Guido queria ser um personagem de histórias em quadrinho. Depois de ler Will Eisner se contenta em ser um personagem de uma história sem quadros.