A consciência humana, talvez, tenha dado um vislumbre penumbroso de uma realidade fora da realidade, nascendo, assim, uma percepção de mundo imaterial. Esse espaço do espiritual sempre esteve presente em diversas culturas humanas, construindo singularidades dos seres humanos para com seu universo em existência. Como a tudo nas culturas humanas, tal concepção deu frutos em registros de amplas naturezas, até mesmo histórias em quadrinhos.

Porém, ressalvo que não terei por foco, no momento, as produções que fazem a representação dessa realidade de maneira doutrinária. Não que não sejam interessantes, como são os casos da série de tiras EspiTirinhas (http://espitirinhas.blogspot.com.br/) de Wilton Pontes, A André, Luis e Pimenta (http://quadrinhoalp.com/) e o Espiritinha (http://www.rcespiritismo.com.br/) que tornaram mais lúdicas as páginas da Revista Cristã de Espiritismo, as três aqui do Brasil. Claramente quadrinhos direcionados para público infanto-juvenil e com proposta educativa dos preceitos espíritas kadercistas. Com maior abrangência etária e de linguagem, temos a Chico Xavier em Quadrinhos, da ediouro, de 2009, sobre a vida do lider espírita brasileiro.

O que faz-se aqui curioso são os quadrinhos que não se propõem a fazer tal exposição religiosa, mas que abraçam conceitos espiritualistas que comungam com tais vertentes de crença. Tal tema do mundo sobrenatural é largamente tratado em quadrinhos de terror, onde fantasmas e espíritos assombram, condenam, perturbam o mundo dos vivos em narrativas que permearam as bancas brasileiras por anos, com seu ápice nos anos 70. Nomes como Jayme Cortez, Julio Shimamoto, Eugênio Colonnese, Rodolfo Zalla, Flavio Colin, entre outros, abrasileiraram a temática do sobrenatural para a realidade singular e plural em solo tupiniquim.

Em uma terra que recebeu tão bem as religiões espiritualistas, como o candomblé e o espitismo kardecista, não é de se estranhar confortável presença dessas histórias em quadrinhos. O Brasil fertilizou bastante o espiritismo kardecista que desembarcou como mais uma moda francesa no século XIX, farol civilizatório, como relata a historiadora Mary Del Priore em seu livro Do outro lado – a história do sobrenatural e do espiritismo, lançado no ano passado. Essa proximidade com um sobrenatural carregado de fontes diversas, produziu quadrinhos que oscilavam entre as vertentes religiosas sem compromissos, alimentando um terror singular onde o desfecho das narrativas eram sempre com uma lição moral.

As influências desse mundo além do material conseguiram até mesmo chegar nos tabuleiros dos quadrinhos de super-heróis. O orientalismo espiritualista do Surfista Prateado o fez um dos maiores propagadores de discursos filosóficos dos quadrinhos da Marvel entre os anos 60 e 70. Seus discursos tratam de uma consciência com o mundo material de força altruísta, com aforismos das filosofias orientais como o budismo e da idéia comunga entre o samsara com o ciclo das reencarnações das religiões espiritualistas. A obra em quadrinhos que Stan Lee e Moébius produziram, literalmente, fazem uma parábola sobre usos e abusos das religiões e da fé, por aqui em 1989.

Doutor Estranho é outro personagem da Marvel bastante significativo, que faz uma profusão sobre o tema muito maior que todos os outros. J.M. Dematteis escreve uma das mais belas narrativas, totalmente pintada a mão por Dan Green, onde o herói místico vaga o mundo sobrenatural conhecendo sua espiritualidade, lançada em formato Graphic Novel em 1989 no Brasil de título Shamballa. Possuidor de poderes sobrenaturais adquiridos em diversas peregrinações e estudos, tem em seu título de autoridade espiritual e o dever da caridade, premissa básica do espiritismo.

Concluo, então, no próximo texto, as relações de obras em quadrinhos com conceitos espiritualistas. Não muito incomum em tais narrativas, a existência de um plano espiritual possível de se visitar e as dinâmicas exercidas pelo carma nas relações entre personagens de algumas histórias em quadrinhos. Agora me dêem licença, vou ponderar sobre esse assunto em Nanda Parbat! Aguardem e comentem!!!!

— BATMAN em tempo integral e Historiador nas horas vagas, busca a verdade e enfrenta vilões em ambas as ocupações!