do release da Editora.

 

Graphic novel sobre o Irã lançada na web e traduzida para mais de 12 idiomas

A obra, que já foi lida por milhões de pessoas em mais de 125 países, chega ao Brasil em janeiro.

 

zahra

Teerã, junho de 2009 – Os iranianos marcham pelas ruas de sua capital em protesto pelas eleições presidenciais, os manifestantes exigem a contagem de votos. Bandeiras verdes hasteadas marcam a indignação do povo. Começam os tiros. Pessoas correm para todos os lados, muitos feridos. Neste cenário de caos, Zahra perde seu filho Mehdi, talvez para sempre.

A editora LeYa lança em janeiro o aguardado “O Paraíso de Zahra” dos desenhistas iranianos Amir e Khalil, webcomic lançada em fevereiro de 2010 em 12 idiomas – incluindo inglês, árabe, persa e português. Os autores, que preferem não divulgar seus nomes por medo de represálias dos aiatolás, narram uma história forte, marcada pelo amor, pela perda e a luta por liberdade.

Após os protestos, os desaparecimentos e mortes de diversos iranianos – divulgados para o mundo pelo Twitter e YouTube – Zahra inicia uma busca incansável por seu filho Mehdi, de apenas 19 anos. Hassan, irmão de Mehdi, é o narrador dessa história pelo blog “Zahra’s Paradise”.

Passando por hospitais e necrotérios, implorando a burocratas corruptos , visitas diárias a prisão Edin, e esperando com todas as forças que sua busca não termine no cemitério ao sul de Teerã, também chamado de Zahra’s Paradise.

 

“O Paraíso de Zahra” é uma trama ficcional permeada de pessoas reais e eventos com uma visão profunda do que é o Irã hoje. Construído com textos eloquentes e uma arte extraordinária, esta é uma história com narrativa em primeira pessoa da revolta ainda em andamento neste pequeno país assolado pelos aiatolás.

“Uma história de partir o coração… não só sobre tirania, perda e sofrimento, mas também da celebração da vontade de viver.”Azar Nafisi, autora de “Lendo Lolita em Teerã”.

“Da mesma forma que Maus e Persépolis, O Paraíso de Zahra coloca um rosto em uma época de sofrimento e prisões, mas diferentemente deles, o tempo em questão é o aqui e o agora…” NPR

“Maravilhoso e atrativo, O Paraíso de Zahra é mais do que uma graphic novel. É um testamento sobre a vontade inquebrável de pessoas prontas para pagarem qualquer preço para poderem se livrar do jugo da opressão.” Reza Aslan, autor de No god but God

 

Ficha Técnica

Título: O Paraíso de Zahra

Autores: Amir e Khalil

Formato: 16 X 23 cm

Nº de páginas: 272

Preço: R$ 39,90

 

 

Sobre os autores

Amir é um iraniano-americano que é ativista dos direitos humanos, jornalista e cineasta especializado em documentários. Ele morou e trabalhou nos Estados Unidos, Canada, Europa e Afeganistão. Seus textos e trabalhos já apareceram e foram muito divulgados pela mídia em geral.

Khalil é um artista muito cultuado. Ele desenha desde que era pequeno e O Paraíso de Zahra é sua primeira graphic novel.

Os autores preferiram permanecer anônimos por razões políticas.

 

Expectativa do QaQ

Nos últimos anos tem aumentado bastante o número de ficções baseadas em fatos históricos, em alguns casos a própria história assume as páginas das HQ. São histórias realistas, que denunciam uma realidade que sequer imaginamos.

E uma HQ escrita por quem sofre na pele a segregação e a tirania é algo que devemos dedicar um olhar mais atento, pois ali sempre há a possibilidade de encontrarmos uma visão única, carregada da passionalidade daqueles que antes de serem artistas, são seres humanos que lutam por uma sociedade diferente da realidade em que vivem, quando não pelas suas próprias vidas.

O lançamento de O Paraíso de Zahara é, portanto, uma ótima notícia. Aguarde a resenha aqui, no Quadro a Quadro.

— morreu num acidente inexplicável na Serra da Cantareira. Antes que seus familiares percebessem, já havia virado um Zumbi. Para aplacar sua fome por cérebros humanos, passa as noites escrevendo no Gibi Rasgado. Seus amigos, com medo de seu apetite insaciável, o convidaram também para escrever no Quadro a Quadro. No momento ele está sob controle.