Mais um post homenagem a antiga seção da revista Wizard, que brincava com nossa imaginação escolhendo atores para representar diversos quadrinhos. Veja o primeiro post da série aqui.

O tema de hoje é Daytripper, HQ brasileira de Fábio Moon e Gabriel Bá, publicada em 2011 no Brasil e ganhadora do prêmio Eisner.

Brás de Oliva Domingos – Selton Mello

Quando comecei a pensar nesta escolha, me veio logo a cabeça uma escolha um tanto óbvia, Chico Buarque. Apesar de não ser ator, o personagem parece ter sido baseado fisicamente no músico, o que nos traria uma naturalidade para a escolha. Porém, Chico poderia não se sentir tão a vontade, já que é muito tímido nos palcos. Além disso, o personagem é na maior parte da história jovem, na faixa dos 20 a 35 anos, o que traria a necessidade de buscarmos um ator mais jovem para estas cenas.

Sendo assim, meu outro caminho de pensamento trouxe Selton Mello para o papel. O ator é um tanto parecido com o personagem em sua juventude, e desempenhou um grande papel no drama O Palhaço, contracenando com Paulo José. Sendo um grande profissional, e tendo desempenhados personagens melancólicos perfeitamente, Selton apareceu como uma boa solução.

O Pai – Paulo José

Tanto Daytripper quanto O Palhaço tratam muito da relação entre o protagonista e seu pai. Nada melhor que escolher o mesmo ator, repetindo a bem sucedida dupla.

Jorge – Lázaro Ramos

Lázaro faz parte de uma geração de atores baianos da melhor qualidade, sem contar a semelhança física. Escolha fácil para o papel de Jorge, personagem difícil e de grande valor na história. 

Olinda – Camila Pitanga

A sedutora baiana que Brás conhece perto da festa de Iemanjá tinha que ser uma morena de cabelos estonteantes. Acho que Camila poderia desempenhar bem esse papel.

Ana – Débora Falabella

A esposa de Brás demonstra ao mesmo tempo fragilidade e amor em seu olhar. Morena de cabelos curtos, facilmente remeteria a Débora. Mas a escolha só se revela bem feita ao lembrar do par romântico que a atriz escolhida desempenhou com Selton em Lisbela e o Prisioneiro. Com esta escolha fechamos o ciclo principal.

O que acharam? Possuem sugestão para um próximo tema?

— Guido queria ser um personagem de histórias em quadrinho. Depois de ler Will Eisner se contenta em ser um personagem de uma história sem quadros.