Vou contar uma coisa para vocês: adoro ver mulheres fazendo coisas tradicionalmente masculinas…

Para minha sorte, tivemos nos EUA um lançamento no mês passado (Fevereiro) que se encaixa perfeitamente no meu gosto e que, portanto, será nosso assunto de hoje: Cinderella: Fables are Forever (Cinderela: Fábulas são eternas).

A mini-série em seis edições sai pelo selo Vertigo e é um spin off da série Fables (Fábulas). Agora, por que ela se encaixa tão bem nesse meu gosto? Bem, por algumas razões:

1-     Esqueça o que você já conheceu sobre Cinderela, ela não é mais a mesma! Divorciada do Príncipe Encantado (ela foi sua terceira esposa) e, tendo perdido todas as suas posses da época de princesa, Cinderela hoje é dona de uma loja de sapatos em Nova Iorque. Mas isso é apenas uma fachada. Na verdade, ela é, nas próprias palavras da ex-princesa: “… I’m a spy. One of the best, even if I’m being humble.”(“…eu sou uma espiã. Uma das melhores, mesmo sendo humilde.”). Não sei o que eu mais gosto aqui, se é a desconstrução da imagem da Cinderela, moça doce e bondosa, cujo sonho era casar com o Príncipe Encantado, ou o fato dela ser uma espiã que deixa até Bond com inveja…

2-     Mulher no papel principal. Óbvio, eu sei, mas é mais que pura identificação com a personagem por ela ser mulher. A história é repleta de diálogos internos onde acompanhamos tudo o que Cinderela (Cindy para os amigos) pensa. Além do que, mesmo sendo mulher ela não deixa nada a dever para homem algum.

3-     Uma história de espionagem e ação perfeita para mulheres e homens também. Não existe na história aquelas séries intermináveis de cenas de ação, o que a torna uma ótima pedida para leitores iniciantes deste gênero.

4-     O título, sempre fazendo referência aos filmes do espião mais conhecido de todos os tempos: James Bond. Na primeira mini-série de Cindy,o título foi baseado no filme de 1963, 007: Da Rússia com Amor, e dessa vez a inspiração do título foi o filme007: Os Diamantes São Eternos.

5-     A série Fábulas. Como boa mulher que sou, não fujo a regra dita pela Lu no post dela da semana passada (Como iniciar sua namorada no mundo dos quadrinhos ou salve seu casamento com os gibis certos). Eu amo essa HQ, o que me deixa muito curiosa e ansiosa para conferir um spin off dela. Adoro ver as relações absurdas entre as fábulas, que não seriam possíveis fora desse universo insano criado por Bill Willingham e na mini-série não é diferente.

6-     Simplesmente porque eu gostei. Tem razão melhor que essa!?

Agora, vamos a história! Pensando bem, acho que uma breve explanação sobre o universo de Fábulas se faz necessário para a perfeita compreensão da história. Em Fábulas temos um inimigo desconhecido atacando todos os reinos das fábulas, criando um império, sem opção várias fábulas deixam seus lares e fogem a procura de segurança. Pois é, nessa fuga elas acabam encontrando portais que se conectam ao nosso mundo e vão parar em Nova Iorque, onde criam a Cidade das Fábulas. Louco!? Então é porque você ainda não leu… Deste modo temos diversas fábulas inseridas em nosso mundo contemporâneo, mas ainda assim elas mantém parte de seus hábitos, posses (itens mágicos, riquezas,etc) e habilidades, é claro.

       

Nesta mini-série, que se passa paralela a Fábulas nº100, um feiticeiro foi assassinado e uma pista foi deixada no local do crime intencionalmente para nossa bela espiã, que a leva a pensar num terrível adversário do passado e a embarcar numa nova missão.  A arte da capa é linda e assinada por uma mulher, Chrissie Zullo, a história de Chris Roberson, até onde li, é bem interessante, a única coisa que eu não amei muito foram alguns dos desenhos do Shawn McManus (achei algumas coisas meio demais…), ainda assim a hq é muito boa e vale a pena conferir. Espero eu gostem!  

 

Revisão por: Luciana Zamprogne