A Cartoon Network americana deu início, no final de setembro, à exibição dos novos episódios da série animada do Lanterna Verde feita por computação gráfica.

No final do primeiro arco – ao total 13 – Hal Jordan, Kilowog, o Lanterna Vermelho renegado Razor e a android Aya conseguem impedir a invasão da Tropa dos Lanternas Vermelhos ao planeta OA com ajuda de muitos outros aliados encontrados no decorrer da história.

Esse primeiro arco funciona muito bem em apresentar o cenário atual do universo dos guardiões esmeraldas: o universo realmente é um lugar muito vasto e existem lanternas das mais diversas cores, cada um representando um tipo de emoção. Para quem não acompanha os quadrinhos, é uma forma interessante de captar o quanto o universo dos Lanternas Verdes se modificou nos últimos anos.

Voltando aos novos episódios, a trama começa com Hal Jordan retornando à Terra e se deparando com os efeitos causados pelas suas aventuras espaciais: o tempo passa, a vida deve seguir seu rumo. Ele é demitido do seu posto de piloto de testes e substituído como Lanterna Verde do setor 2814 por Guy Gardner, como o próprio nome do episódio leva a crer: "The New Guy". O vilão da temporada já deu as caras e ele é um velho conhecido dos universos das tão inúmeras "Crises": o Anti-Monitor.

 

Com um "rasgo" na realidade ele adentra ao universo e desperta uma tropa que também é há muito conhecido dos Lanternas: os Caçadores Cósmicos.

Ao final do episódio, Hal Jordan nota de que ter sido substituído teve a sua vantagem: ele é promovido à Guarda de Honra dos Lanternas Verdes.

O segundo episódio, exibido no último día 6, completa a missão do primeiro: apresentar todos os pontos centrais da trama, dar ao publico que é verde (péssimo trocadilho, eu sei…) no universo do Lanterna Verde nome àqueles que integraram as mais diversas mega sagas dos quadrinhos. Se no primeiro o Anti-Monitor é apenas apresentado, no segundo ele já é nomeado e, claro, diz ao que veio: consumir.

 Como sempre pensei, a DC Comics vem acertando com as séries animadas, continuando com uma produção gostosa de se assistir – sim, eu realmente fiz questão de sublimar os episódios cansativo da primeira temporada – e apresentando os mais diversos elementos das famosas sagas que vieram dos quadrinhos.

— Adalton nasceu no último dia de uma lua cheia, mas acha que isso não tem nenhuma relação com a sua vida; começou comprando quadrinhos por puro modismo - uma edição da Turma da Mônica parodiando Jurassic Park; sua primeira compra consciente foi a edição nº 01 de Batman: A queda do Morcego, ainda formatinho. Acredita que irá terminar a graduação em Letras antes da catástrofe de 2012 e daqui até lá está estudando parte das traduções intersemióticas das peças de Shakespeare já produzidas. E nos interlúdios, tenta produzir roteiros a partir idéias rabiscadas em antigos pedaços de papel.