a-cancao-de-mayrube-hugo-canuto-capaTodos nós temos um caminho, só não sabemos que desfecho terá agora, neste instante. Hugo Canuto fez o dele, especialmente revendo o passado de sua mãe, cujos ancestrais são de uma etnia indígena do sertão baiano. 
A partir daí o jovem embarcou em outras histórias, em outros países e Estados, garimpando, absorvendo, como as águas que adentram as pedras. Cresceu dentro dele as ideias de uma terra mágica, cheia de lendas e mistérios. Disso, saíram desenhos, estudos, leituras, textos, e mais ilustrações…

Ecoou em seus ouvidos A Canção de Mayrube (apoiado por este Quadro a Quadro), seu primeiro rebento. O pontapé está em O início (lançado em 2015), HQ que conta sobre os cinco clãs que buscam uma morada onde possam fincar as suas raízes e edificar as suas histórias. 

Conhecemos também os irmãos Axlar – senhor das serpentes, e que não aceita muito o fato dessa “terra prometida” apregoada pelo pai primeiro, Tumer Arandu (coisas de filho que desafia o pai, diga-se) – e Rupave, guerreiro que crê em um futuro digno para o seu povo; e Sypave, bela e sensível lutadora que enseja um novo lar. 

Tumer Arandu tem uma visagem dessa possível morada e o trio é convocado a descobri-la. Dentro de uma caverna obscura, encontram uma pedra falante que evoca uma profecia. Axlar toca nessa rocha e… a aventura começa. 

hugo-canuto-cancao-mayrube-processo-16Além das influências indígenas, Canuto literalmente bebeu da fonte de diversas histórias de povos Incas, Iorubas, até os Maias e os Astecas, bem como os contos e lendas que habitam nosso País, que abrigam os nossos corações, para arquitetar o enredo de A Canção… 

Águas estas que, inclusive, traçam em aquarela, o que torna um quadrinho de traço sutil e aguça a curiosidade de nós leitores, com informações sobre a graphic novel A Canção de Mayrube – Os Filhos do Sol, prevista para sair em breve.

Esperai filhos do sol, flores da Lua. Que o pássaro estelar nos guie pelas águas mais profundas.

Confira mais informações e ilustrações nessa página.
    
 

— Jornalista freelancer, moradora de S. Miguel Paulista - SP e também colabora para o portal Jornalirismo (www.jornalirismo.com.br). Nas horas vagas, lê Quadrinhos. Nas outras também. Mais em http://twitter.com/keliv1