ben-affleck-argo

Bem, agora já está sendo publicado por aí em diversos blogs, sites, contas de mídias sociais, mesas de bar, que mais um ator foi escolhido para interpretar um "novo" Batman, e a bola da vez é o ator/diretor/roteirista/escritor Ben Affleck. Sinceramente, quando soube dessa noticia pelo twitter, a minha única reação foi de rir do burburinho que chegou junto com o anúncio. Assim como um tsunami que vem após o tremor, essa é uma das maiores provas de como a Warner se sente compelida a girar toda a sua produção super heroica frente a seus dois medalhões, demonstrando indiretamente certa mediocridade e, por que não dizer, um medo tremendo de utilizar as suas frentes criativas em novas franquias que já merecem o seu momento no mercado audiovisual.

Sobre Ben Affleck? Não sou tão severo quanto as criticas que estão sendo direcionadas a ele, principalmente porque a maioria delas toma como precedente a adaptação cinematográfica do Demolidor, que apesar de também não gostar acho uma justificativa fraca para uma repulsa tão grande. Em contrapartida, também não consigo transbordar otimismo só por ele ser um diretor renomado e um ativista político. O problema real são as entrelinhas, que nos mostram a escolha de um Batman "aleatório" que nascerá como uma amalgama bastarda dos últimos filmes do homem-morcego em um projeto apressado (e porque não dizer desesperado) de um filme-crossover com a nova interpretação do Superman

batman_vs_superman

Logicamente, não creio que o filme será um fracasso. Pelo menos nas bilheterias não será com certeza, pois temos em meio às atuais películas de super-heróis uma certa "Aura Hype" que consegue sustentar minimamente essas empreitadas. E em se tratando de ícones como Batman, Superman, Homem-Aranha e Homem de Ferro, por exemplo, ela chega até a esconder nos números as pesadas críticas por alguns (não todos) trabalhos executados em nome destes personagens na tela grande.

A questão é que ao contrário da Marvel, que mesmo deixando muitos personagens em adaptações medianas consegue crescer cada vez mais o seu leque de opções, a Warner/DC acaba se boicotando e não trabalha de forma digna com o seu catalogo de personagens. Flash e a Mulher-Maravilha são os grandes exemplos de franquias poderosas que continuam sendo relegadas, mas poderiamos citar aqui outras tantas interessantes que se tornariam ricas também nas telas.

Tudo bem, o Lanterna Verde foi um fracasso, mas por ser um super-herói "fraco" ou pela sua pré-produção equivocada? Chris Evans foi escolhido para ser o Capitão América e teve uma repulsa inicial pós-anúncio, mas acabou sendo salvaguardado por um clima de tranquilidade em torno do trabalho que havia na adaptação do bandeiroso. E se estamos em tempo que até os Guardiões da Galáxia estão sendo levados aos cinemas pela concorrência, o que impede realmente que personagens como o Guardião Esmeralda, o Besouro Azul, Questão e o Capitão Marvel não tenham sua chance e emplaquem?  

9342232986_461bc529fd_o

Interessante que nas vésperas do reboot do universo dos quadrinhos, foi apresentado como justificativa de mudança dos vários personagens uma adaptação mais suave a um mercado multimídia dos novos tempos. Porém, até em seu produto de origem vem sendo refletido o mesmo comodismo e dependência do que acontece no cinemas. Títulos e mais títulos vem sendo cancelados para serem substituídos por spin-offs do Batman e do Superman, enfraquecendo a diversidade de novos conceitos e trazendo uma mesmice que só é confortável financeiramente em um determinado período de tempo, podendo se tornar um grande problema no futuro. 

Em sua defesa, a DC apresenta incongruentes comentários preguiçosos, onde a culpa ainda recai sobre um anacronismo do produto utilizado frente ao "mundo real", que o tornaria pouco atraente tanto para leitores quanto telespectadores. Na verdade, acho assustador como essa perseguição ao "realismo" seja utilizada de forma tão leviana e dogmática, desconsiderando os retumbantes erros editoriais e as malfadadas reformulações dos últimos 10 anos.

No caso dos quadrinhos, mesmo com tudo começando do zero, não se mudou a linha criativa presente desde os anos pré-novos 52. Isso sem contar as péssimas equipes que não sabem trabalhar bons plotes e afundam cada vez mais os titulos perifericos. A culpa de baixas vendas não cabem ao Rapina e Columba, a Legião dos Super-Heróis ou ao Bandoleiro, mas sim a termos artistas ultrapassados como Rob Liefeld como uma das mentes pensantes dessa nova empreitada.

liefeld-hawk

Já no cinema, a situação parece ser mais complicada e bem mais confusa. Confesso que é necessário humanizar o personagem, principalmente procurando adapta-lo a uma mídia tão distinta e que pede por outros apelos sensoriais. Mas, tentar a todo custo legitima-lo dentro da NOSSA realidade, levando em muitas vezes a redundâncias irritantes que esperam te convencer apenas pela repetição da mensagem é paradoxal e surreal, principalmente quando se investe muito nisso e esquece-se de que uma história bem contada é o que realmente importa. Lanterna Verde, Batman: The Dark Knight Rises e Superman: Homem de Aço são a melhor prova desse show de auto-legitimação e completa falta de nexo ficcional. Entretanto os dois últimos se garantiram por seu apelo símbolico, enquanto o primeiro…

Os clássicos Superman e Superman II são o melhor exemplo que a fantasia heroico-idealista funciona nos cinemas. Estão datadas? O público era outro? Tudo bem. Os Batmen de Tim Burton, A trilogia aracnídea de Sam Raimi e Os Vingadores seguem a mesma linha de pensamento e com roteiros bem elaborados conseguem te fazer esquecer as incongruências para apenas te fascinar pela diversão garantida.

Quer mais atual ainda? Outro grandioso exemplo disso repousa no recente Circulo de Fogo, que mesmo não sendo uma adaptação de HQ é um filme de ficção maiúsculo, com cara de videogame ou desenho animado e recheado de tipos estereotipados que não se encontram na vida real, mas dão certo. E produzido pela Warner, mesma empresa que não acredita na sunga do Superman ou no Robin ser apenas o codinome do ajudante do Batman.

PACIFIC RIM

Enfim, talvez até Ben Affleck possa surpreender. Sério mesmo. Mas, de verdade, isso não importa muito. Pois o que realmente fica em cheque para o fã do homem-morcego (e porque não dizer da DC) é saber até quando existirá um uso tão excessivo da mesma marca, arriscando de forma leviana como o mundo enxerga o personagem e todo seu universo ficcional. Hoje, ter o Batman na tela parece ser muito mais uma garantia de que pode-se ganhar dinheiro com qualquer coisa que façam com ele, do que realmente tentar nos trazer uma história digna e divertida de super-herói.

— é soteropolitano do condado de Brotas, o lendário bairro-cidade da capital Baiana. Lê e comenta sobre quadrinhos dos mais variados, além de ser aficionado por futebol em todos os níveis, desde uma final de Champions League a um confronto entre Butão e Montserrat. Sua eterna crença em times inexpressivos foi nomeada pelos amigos twitteiros de #momentoedimario… Além disso, acompanha qualquer seriado sci-fi de qualquer parte do globo, e sempre é fascinado por qualquer cronologia possível, até em novelas. Alguns dizem que pode viajar entre os multiversos apenas atravessando as ladeiras brotenses, outros que faz parte do conselho interdimensional e tem passe livre para navegar entre a matéria e a antimatéria. Relatos de sua presença em lugares como Paris, Tóquio, Nova York, Attilan, M-78, Rann e Trill são conhecidos, mas nunca foram confirmados.