Edição reunida e revista dos quatro álbuns protagonizados pelo detetive Diomedes traz de volta a saga que consagrou Lourenço Mutarelli como um dos grandes nomes dos quadrinhos nacionais

Em 1999, quando foi lançado O dobro de cinco, primeiro álbum da “trilogia em quatro partes” protagonizada pelo detetive Diomedes (424 páginas, formato 18,5 X 27,5 cm, R$ 59,00, Quadrinhos na Cia.), Lourenço Mutarelli já era um quadrinista conhecido, seguido de perto por um círculo de leitores fascinados por suas belas histórias de caráter pessoal e intimista, com personagens atormentados pela solidão e pela morte. Para muitos, portanto, deve ter sido uma surpresa sua guinada para um gênero popular como o quadrinho policial, em geral narrado com um traço mais contido e disciplinado, a serviço de uma história de investigação esquemática e roteiro bem definido.

Mas esta é uma história policial de Mutarelli. Seu protagonista não é um tipo durão, envolvido com perigosas intrigas e belas mulheres. É um delegado aposentado, gordo e sedentário, em busca de uns trocados para completar o orçamento. Nunca resolveu um caso, e passa a maior parte do tempo bebendo e fumando em seu escritório imundo. No entanto, ao partir no encalço do há muito desaparecido mágico Enigmo, seu cotidiano ordinário fica para trás. Em busca da sorte grande e metido em circunstâncias cada vez mais desfavoráveis em seu caminho repleto de figuras bizarras, Diomedes será obrigado a usar todo o talento que jamais imaginou possuir para desvendar o “Enigma de Enigmo”.

A nova edição reúne em volume único a trilogia formada por quatro álbuns, alguns deles esgotados há anos e vendidos a preço de ouro. Os desenhos originais foram reescaneados e a fonte redesenhada para amplificar a experiência gráfica do leitor. A edição também inclui esboços inéditos e tiras que não constavam na edição original.

 

Lourenço Mutarelli nasceu em 1964, em São Paulo. Escritor, artista gráfico, roteirista e ator, publicou diversos álbuns de histórias em quadrinhos, hoje cultuados entre o público do gênero. Dele, a Companhia das Letras publicou O cheiro do ralo, O natimorto, A arte de produzir efeito sem causa, Miguel e os demônios e Nada
me faltará. Também escreveu peças de teatro e atuou em longas-metragens baseados em sua obra. Em 2011, voltou aos quadrinhos com o álbum Quando meu pai se encontrou com o ET fazia um dia quente.

Facebook do autor: http://www.facebook.com/lourencomutarelli

— Lucas Pimenta queria ser Martin Mystère. Não queria uma pistola de raios e sim a capacidade de enrolar uma noiva da mesma maneira...