O grande David Mazzucchelli revelou a Dan Nadel, do blog The Comics Journal seu descontentamento com a editora. O artista se mostrou chateado com a falta de respeito na reimpressão da Graphic Novel Batman: Year One, nos EUA.

David tinha sido procurado anos antes para criar uma edição definitiva para o quadrinho, na qual trabalhou por meses. Mas o projeto foi pra gaveta, voltando a pauta anos depois de uma forma muito diferente da qual o artista tinha planejado. O quadrinho, que contava com roteiros de Frank Miller, arte de Mazzucchelli e cores de Richmond, teve sua capa redesenhada, seu miolo impresso em papel brilhante  (que não era coerente com o conceito original) e suas cores refeitas. Mazzucchelli acredita que tais idéias foram postas em prática para trazer a história mais para perto do desenho animado lançado a algum tempo atrás. Por fim, ressalta que a impressão foi feita através de arquivos fora de foco, o que prejudicava totalmente a arte feita a mão por Richmond.

A irritação foi tanta que o artista pediu para que os leitores não comprassem esta reedição e que os que já tivessem comprado pedissem seu dinheiro de volta.

O ocorrido vem a tona bem num momento de discussão, onde autores consagrados como Mazzuchelli e Alan Moore se mostram descontenctes com o respeito a suas obras. Obviamente são casos diferentes, mas que alimentam a consciência dos leitores com dúvidas como: Até quando devemos engolir publicações caça-níqueis? Até onde vai o esforço das editoras em fazer um trabalho coerente e digno, mesmo que visando aparoveitar um filão do mercado reaberto por filmes, games e desenho animado?

Autor da Graphic Novel premiadíssima e elogiadíssima Asterios Polyp, David Mazzuchelli merecia mais respeito. Como pode a DC criar um desenho animado sobre uma história de sucesso, e depois do novo mercado conquistado com mais esta mídia, transformar a obra para parecer com uma adaptação do desenho? Querem vender a obra original o desenho e a história baseada no desenho? Acredito que o caminho para sair da crise não seja esse.

 

— Guido queria ser um personagem de histórias em quadrinho. Depois de ler Will Eisner se contenta em ser um personagem de uma história sem quadros.