Dentro da programação do aniversário de 22 anos da Gibiteca de Santos, um dos eventos programados era o debate sobre a importância e os desafios dos portais de HQ . O bate-papo contou com a presença de Paulo Ramos do Blog dos Quadrinhos, Renan Frade do Judão e euzinha pelo Quadro-a-Quadro.

Como todos os eventos que acontecem na Gibiteca, o clima era de confraternização entre amigos, o que ficou mais evidente ao 1743576_734425379981232_8897545561544087540_ncantarmos Parabéns e cortarmos o bolo em homenagem àquele que deu nome ao lugar: Marcel Rodrigues Paes.

Acredito que um dos pontos positivos do debate foi justamente mostrar para o público que existem diferenças entre cada um dos portais, tanto em suas propostas como na forma de trabalharem e que, independentemente do foco de cada um, todos acabam se complementando. Por exemplo, lembro-me que em um evento um quadrinista desabafou que havia enviado um trabalho a um determinado crítico e que este não divulgou nenhuma nota a respeito. Conversando com o Paulo e com o Renan entendi que cada um dos sites e blogs têm funções e intenções diferentes. Tanto o Blog dos Quadrinhos como o Judão são portais que têm conteúdo mais jornalístico, com resenhas e críticas feitas por profissionais que estudaram para isso, ou seja, notas de lançamento são eventualmente divulgadas, porém, com a quantidade de material que tem pipocado no mercado, nem sempre é possível anunciar tudo que aparece.

Os “Quadrados”, por outro lado, são pessoas com profissões variadas unidas por uma paixão comum e cuja função é justamente divulgar o máximo de eventos e publicações possível para que o público. que não teria acesso às informações de outra forma, possa conhecer o que tem sido feito pelo Brasil e pelo mundo. Eventualmente temos resenhas feitas com o coração por um dos colaboradores e amante da nona arte, mas se analisarmos o conteúdo de cada um dos portais, percebermos que suas propostas são diferentes, por isso se complementam.

Sobre as dificuldades de se manter um site de HQs sem publicidade e sem retorno financeiro, nós três fomos unânimes: é mesmo complicado você manter uma produção constante quando as pessoas envolvidas têm outras profissões e compromissos. Renan ainda levantou um ponto interessante: muitas agências de publicidade que trabalham com editoras grandes preferem investir em um editorial de blog de moda a publicar em um site de HQ, afinal, nós publicaremos nossas considerações de qualquer forma, não é mesmo? E sem ganhar nada por isso. Essa linha entre autenticidade e publicidade é muito tênue e tanto o Blog dos quadrinhos como o Judão preferem manter um conteúdo sério e autêntico a ter que moldar alguma publicação aos desejos de algum anunciante. No caso do Judão, há espaço para a publicidade e ela é tratada como tal, ao contrário do que é feito em muitos blogs aonde a publicidade vem disfarçada como depoimento “mais que sincero – só que não”.

Seria sensacional viver dos blogs? Sim, seria, mas será que há um caminho para se manter fiel ao que se acredita sem ter que vender a sua própria imagem como uma celebridade a exemplo do que alguns sites vem fazendo? Não estamos dizendo com isso que é algo errado a se fazer, porém, se deixássemos de ser quem somos e passássemos a seguir um modelo mais rentável financeiramente, não seríamos apenas mais um blog reproduzindo algo que já é feito?

Estas são algumas questões que foram levantadas e cujas respostas dariam outro debate. Até lá, podemos pensar juntos em qual seria o melhor caminho a seguir. De qualquer forma, sinto muito orgulho de todos que estavam na Gibiteca, pois estavam lá por amor às HQs, com aquele brilho nos olhos que percebemos naqueles que fazem algo com paixão.

A Gibiteca de Santos é uma referência tanto no Brasil como no Exterior e ter feito parte desta festa foi realmente incrível. Tivemos a presença dos funcionários “oficiais” e “não-oficiais” que se desdobram em mil para que estes eventos aconteçam e os números divulgados pelo Fábio Tatsubô, responsável pela agenda da Gibiteca não mentem:  em 2013 foram realizados  cerca de 70 eventos, já em 2014, mesmo com a Copa e as eleições, tivemos 109 eventos que contaram com participações de artistas de diversas partes do Brasil.

Também foram levantadas algumas questões sobre a produção acadêmica de estudos de HQs e a divulgação dos eventos relacionados, porém, estou pensando em fazer um post mais detalhado sobre isso em breve.

Em nome do Quadro-a-Quadro, agradeço o convite e parabenizo a Gibiteca pelos seus 22 anos que tem sido muito bem representada nas pessoas do professor André Rittes, Narayana Fida Mamede e Fábio Tatsubô. Quem venham mais 100 anos! Parabéns!

Fotos de Narayna Fida Mamede para a Gibiteca.

10410672_734442493312854_1218668033549426582_n

— Dani Marino é formada em Letras e ainda não decidiu se prefere viver no Sonhar, em Nárnia ou em Hogwarts.